Olá MAGAFONE   Click to listen highlighted text! Olá MAGAFONE
  • Please insert widget into sidebar Customize Righ Home 2 in Appearance > Widgets
Michelle Cascais
Autora dos livros ‘Mel’ e ‘As Miúdas’

Somos de quem se fala depois de se falar do tempo. Se vai chover ou fazer calor.
Somos a conversa de circunstância. Somos os que “estão lá fora a fazer vida”. Há uma, quase, obrigação de se fazer bem “lá fora”, porque há escrutínio ao domingo. Há a saudade e orgulho, numa voz tremida que faz o olho brilhar. Há também um coração sofrido, incapacitado e apavorado com os acasos.
A nossa gente acostuma-se à nossa inexistência física, ao não estarmos presentes ininterruptamente. Habituam-se à nossa ausência, mesmo quando por perto estamos. Perde-se a consistência, quebra-se a rotina e deixamos de existir no registo de chamadas, porque o indicativo português perdemos. A nossa presença, mastigada pela ausência, é alegria nos primeiros dias e sombra nos restantes. Somos espetadores do circo e dos números que nos mantêm entretidos. Também nós tentamos entreter. O importante é que estejamos todos ocupados, quando o que faz falta é todo o tempo que se perdeu. E a culpa é de ninguém. A nossa gente, que se habitua a não estarmos perto, é a mesma que sofreu quando decidimos ir. Quando nós, envoltos pelo que era novidade, desafio, entusiasmo e obstáculo fresco, não demos tempo à dor. Como uma balança descalibrada, uns sofrem primeiro outros depois. Talvez com o tempo se calibre, talvez com o tempo se encontrem no meio… perfeitamente sincronizados.

“Custa sempre mais a quem fica”, ouço ao longo da vida quando se fala de quem vai. Quem vai com a morte, com a distância e com a saudade. No entanto, não mal interpretem…. Nestes assuntos emigrantes, no impulso de deixar tudo e de apenas ir, não há avenidas de sentido único. Ganha-se e perde-se, em diferentes cadências, intensidades e patamares. Se, para quem vai, a aventura começa com dúvida, descoberta e medo, todavia ultrapassados por uma inexplicável força de vontade e mudança, para quem fica há uma cadeira vazia. Um telemóvel sem rede, um quarto que ganha pó, um cão saudoso, uma história por contar… Que talvez fique por contar para sempre, porque se esquece a cumplicidade.
Alguém fica a contemplar o nada que quem foi deixou. O nada que não satisfez, que não fez ficar, que viu partir quem da vida quis diferente. Quem vai, por minha experiência, não sente saudade imediata, sente tudo o resto. O aperto e o abismo. Quem fica faz o luto físico, apoia a ida e molda-se à nova realidade. Imediatamente, abraça o vazio.
Vivem, todos eles e todos nós, quem fica e quem vai na terra de ninguém.


Deixe Comentários

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Carrinho
  • Ainda sem produtos no carrinho.

O nosso site utiliza cookies, portanto, coleta informações sobre a sua visita a fim de melhorar a qualidade dos nossos conteúdos para o site, redes sociais e aúncios. Consulte nossa página cookies para obter mais detalhes ou clique no botão 'Aceitar'.

Configurações de cookies

Abaixo, pode escolher os tipos de cookies que permite neste site. Clique no botão "Guardar configurações de cookie" para aplicar sua escolha.

FuncionalO nosso site usa cookies funcionais. Esses cookies são necessários para permitir que nosso site funcione.

AnalíticasO nosso site usa cookies analíticos para permitir a análise de nosso site e a otimização para efeitos de usabilidade.

Redes SociaisO nosso site coloca cookies de redes sociais para mostrar conteúdo de terceiros, como YouTube, Instagram, Twitter e Facebook. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

PublicidadeO nosso site coloca cookies de publicidade para mostrar anúncios de terceiros com base em seus interesses. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

OutrosO nosso site coloca cookies de terceiros de outros serviços de terceiros que não são analíticos, média social ou publicidade.

Clique aqui para ouvir o texto selecionado!